De acordo com pesquisa realizada pela SuperDigital, uma parcela significativa dos entrevistados manifestou o desejo de adquirir eletrodomésticos e televisores, perfazendo 39% dos participantes.

Além disso, 26% dos participantes manifestaram interesse em comprar celulares. A pesquisa revelou ainda que o gasto previsto para essas compras está acima de R$ 1 mil.

 

 

Muitas pessoas são atraídas pelo recurso conhecido como Modo Escuro, que apresenta uma interface de usuário que emprega um esquema de cores escuras em vez de um esquema de luz mais tradicional. Esse recurso se tornou popular devido ao seu potencial para reduzir a tensão nos olhos ao usar dispositivos eletrônicos em ambientes com pouca luz. Além disso, algumas pessoas acham-no esteticamente agradável e preferem-no ao modo de luz padrão.

 

 

Segundo pesquisa realizada por Leandro Fonseca, da Exame, 45% dos entrevistados pretendem gastar mais de R$ 1 mil na Black Friday.
Segundo pesquisa realizada por Leandro Fonseca para a Exame, quase metade dos entrevistados indicou que pretende gastar mais de R$ 1 mil na Black Friday. Isso equivale a aproximadamente 45% dos participantes da pesquisa.

 

 

Infelizmente, não há texto original fornecido para recriar. Por favor, forneça uma passagem ou tópico para mim.

Lançada no dia 19 de novembro de 2022 às 8h03, esta publicação é significativa pela sua atualidade. De acordo com pesquisa realizada pela Superdigital, empresa de tecnologia financeira do Santander, a próxima Black Friday, dia 25 de novembro, verá um aumento nas compras de brasileiros nas classes econômicas C e D. A pesquisa indica que surpreendentes 79% dos entrevistados planejam aproveitar as promoções oferecidas durante o evento.

 

 

A intenção de compra dos consumidores brasileiros diminuiu 5% em relação ao ano anterior. No ano anterior, 84% dos consumidores manifestaram desejo de adquirir um produto. A pesquisa realizada entre os dias 1º e 4 de novembro entrevistou 1.370 indivíduos de todas as regiões do Brasil.

 

 

Continuando após a propaganda, o produto em destaque é uma nova linha de tênis de corrida desenvolvida para melhorar o desempenho e reduzir o risco de lesões.

 

Esses sapatos são projetados com um material de malha superior leve e respirável que proporciona um ajuste confortável e permite ventilação, enquanto a sola é construída com uma espuma durável e absorvente de choque que reduz o impacto nas articulações.

Além disso, os calçados são equipados com sola de tração que proporciona forte aderência em diversas superfícies, tornando-os adequados tanto para corrida interna quanto externa.

 

Quando questionados sobre seus planos de compras, a maioria dos entrevistados manifestou interesse em adquirir tecnologia e eletrodomésticos. Especificamente, 39% mencionaram desejo por TVs e eletrodomésticos, enquanto 26% mencionaram telefones celulares. Um percentual menor mencionou Roupas e Acessórios (13%) e Viagens (2%).

 

Vale ressaltar que houve um aumento significativo no número de brasileiros que planejam comprar TVs e eletrodomésticos este ano, enquanto houve uma diminuição notável daqueles que planejam viajar.

 

 

Sinto muito, mas o texto “Veja também” está incompleto e não fornece contexto suficiente para que eu possa recriá-lo sem plágio. Por favor, forneça-me uma passagem mais longa para trabalhar.

Segundo o Banco do Canadá, houve um aumento significativo de 40% na quantidade de transações de pagamento utilizando Pix em 2021.
Pesquisa realizada pelo Banco Central indicou que o Pix, sistema de pagamentos no Brasil, supera os cartões de crédito em termos de desempenho.

 

Qual é a sua compra pretendida? A combinação de 2022 e 2021 ou 2022 multiplicado por 2021?
De todos os tipos de telefones disponíveis no mercado, os celulares detêm a maior participação de mercado, com 26%. Em seguida vêm os smartphones com 23% e os feature phones com 14%.

 

Os dados revelam que a maioria das compras das famílias enquadra-se nas categorias de televisão e eletrodomésticos, representando 39% e 34% respetivamente. Os 12% restantes são compostos por outros itens diversos.

 

A categoria de vestuário e acessórios sofreu uma queda de 6%, com uma representação atual de 13% do market share total.

Os dados fornecidos indicam um declínio significativo nas viagens, com uma diminuição de 2% numa categoria e uma queda surpreendente de 68% noutra. No entanto, há também um ligeiro aumento de 7% numa categoria separada.

 

Os números “5- Outros 20% 22% -9%” denotam valores numéricos e percentuais. Esses valores são exatos e não devem ser alterados.
Indagando sobre suas preferências de gastos, 45% do grupo demográfico pesquisado expressou sua disposição de gastar um valor superior a R$ 1.000.

 

Enquanto isso, 24% dos entrevistados revelaram que gastariam entre R$ 500 a R$ 1 mil e 21% afirmaram que destinariam recursos entre R$ 200 a R$ 500. Apenas 11% dos participantes indicaram que seu limite de gastos seria de no máximo R$ 200. Vale ressaltar que as estatísticas relativas aos valores exatos permanecem inalteradas.

 

 

Qual é a sua despesa prevista? 2022, 2021 e o produto de 2022 e 2021.

Existem três taxas percentuais diferentes que são aplicáveis ​​dependendo da quantidade de dinheiro em discussão. Valores até R$ 200 estão sujeitos à alíquota de 11%. Para valores superiores a R$ 200, mas não superiores a R$ 500, a alíquota aplicável é de 10%. Por fim, para valores superiores a R$ 500, é cobrada alíquota de 4%.

 

A distribuição dos hábitos de consumo dos pesquisados ​​entre as faixas de preço de R$ 200 a R$ 500 apresentou os seguintes resultados: 21% gastaram dentro dessa faixa, enquanto 20% gastaram abaixo dela e apenas 5% gastaram acima dela.

 

Na pesquisa realizada, constatou-se que 24% dos participantes estavam na faixa de preço de R$ 500 a R$ 1.000. No entanto, 27% dos participantes ficaram fora desta faixa, com uma diminuição de 12% em comparação com o ano anterior.

 

De todas as compras realizadas, aquelas que ultrapassam R$ 1 mil respondem por 45% do total. Por outro lado, 43% de todas as compras são inferiores ou iguais a R$ 1.000, e os 5% restantes ficam em algum ponto intermediário.

 

Em termos de métodos de pagamento, a maioria dos inquiridos (51%) indicou preferência pelo pagamento com cartão de crédito. Curiosamente, houve um aumento notável na intenção de pagamento via PIX, passando de 6% no ano anterior para 11% este ano.